A luta que travei antes de me assumir

lucy-wardrobe
Definitivamente assumo: Sou extremamente preconceituoso. Jorram da minha mente como um cataratas de pensamentos de condenação e maldição aos que estão vindo em direção contrária às minhas ideologias.

Sinto como se meu coração quisesse sair pela boca quando, por muitas vezes, sou contrariado em assuntos que são do meu “universo particular”. Odeio ser “bode expiatório” ou exemplo público de “como não se deve fazer”. Teimoso é o meu nome do meio. Preciso sempre ter razão em tudo o que faço e costumeiramente rechaço ideias alheias apenas pelo desejo de ver a minha entronizada.

Não assumo as minhas culpas, na verdade, nunca sou culpado de nada, sempre elejo aqueles que são a razão do meu fracasso e pulo fora do alvo. Detesto ter de repartir, se pudesse ficaria com tudo o tempo todo. Preguiça e egoísmo são a minha especialidade. Faço o bem apenas pra que minha imagem não seja manchada e meu nome não fique no hall dos que falam, mas não vivem.

Sempre sei mais do que os outros. Não tenho mais nada ou quase nada a aprender e me esquivo das questões que confrontam o meu saber. As ambições dominam os meus impulsos, prefiro caminhar sempre pela trilha da fama. Fico ansioso em saber quantos “likes” as minhas publicações receberam e quantos “compartilhamentos” os meus posts terão. Sou arrogante. Sinto raiva quando não consigo o que esperava e ligo a sirene que grita: “injustiça, injustiça, injustiça” quando meus mimos são explodidos em favor de um bem maior.

Meu último sobrenome é ansiedade. É melhor me matar do que me convocar para uma conversa que não poderá ser realizada na sequência. Minha mente é uma viagem sem destino nas inúmeras possibilidades do motivo pelo qual fui intimado à prosa. Claro que meus muros estão sempre erguidos e minhas armas sempre em punho prontos para provar que o déficit não foi causado por mim. Não faço questão nenhuma de ser aceito. Na verdade é tudo mentira, porque sou um mentiroso, mas insisto em dizer que não.

Os meus olhos levam ao meu coração toda força do pecado e minha mente insiste em não querer se desvencilhar dele. Meu maior sonho é encontrar o lugar máximo do prestígio e ser reconhecido como o melhor de todos os tempos em qualquer coisa que seja. Sou complexo, complicado, prolixo, efêmero e ainda mais, deus de mim mesmo.

No entanto, sobre tudo isso e não considerando ainda o meu incrível potencial de ser maldade, está a Graça de Jesus que me alcançou por meio de Seu sangue derramado na cruz.

Eu nunca serei alguém melhor tentando ser alguém melhor por mim mesmo. Se existe algo diferente e distante de tudo o que citei acima, este não é outro que não o próprio Cristo habitando em mim e sendo por mim.

Talvez você não se reconheça em nenhuma parte destas palavras ou se reconheça, quem sabe, em todas elas ou pelo menos em algumas, talvez você não consiga nem assumir pra você mesmo sua própria condição. A questão é que só você sabe disso.

Será que não chegou a hora de parar de tentar salvar-se por conta própria, gritando com a voz já rouca no meio dá dura tempestade?

Confesso que sou tudo isso que disse e mais um pouco, mas tenho plena consciência de que fui encontrado pelo amor furioso de Jesus que não me perguntou se era capaz de mudar e muito pelo contrário, me aceitou antes mesmo que eu existisse.

E você consegue assumir?

Que o Pai nos pegue no caminho.