Amar não é só fazer, é também sentir

Amor não é um sentimento, mas uma atitude. Será?

Pode soar um tanto radical, mas de um modo geral, essa ideia jamais será encontrada nos ensinos da Bíblia Sagrada. A mensagem da verdadeira religião cristã ali exposta, nunca departamentalizou a vida humana. No ensino bíblico, a fé nunca está à parte das obras, o conhecimento nunca está à parte das ações e as afeições nunca estão à parte da concretude da vida cotidiana.

O domínio de Cristo deve se fazer realidade em todos os meandros da nossa existência, inclusive e de forma bastante destacada, em nossas afeições e sentimentos, de modo que se você apenas age como quem ama mas seu coração não está em consonância com sua ação, você tem um problema de coerência com o qual vai ter que lidar. A Bíblia é muito clara e firme no que tange a necessidade de harmonia entre nossos afetos e nossas ações. Segundo o apóstolo Paulo, por exemplo, podemos entregar nossos corpos para serem queimados vivos, todavia, até mesmo nossa morte em favor de alguém ou de alguma causa, sem amor, de nada valeria. Pesado, não?

O que as Escrituras estão nos ensinando é que amor com atitude mas sem afeição, na verdade, não é amor, e que existe sim a possibilidade de nossas ações, por mais bem intencionadas que sejam, estarem sendo completamente em vão. Para Deus o que está em jogo é muito mais do que uma atitude correta, mas o coração no lugar certo.

Só os puros verão a Deus

É incrível como Jesus sempre vai no âmago das questões. Jesus está sempre se importando com a raiz, com o radical, com o que há de mais verdadeiro e profundo no ser humano, em suma, com o nosso coração. Ele mesmo disse que felizes serão aqueles que são puros de coração, estes e apenas estes verão a Deus.

Não adianta você apenas agir como quem ama se na verdade seu coração não está em harmonia com a sua ação. Jesus é Senhor de tudo, não apenas do campo prático ou do campo afetivo da vida. É sim, verdade que afetos nada são se não vierem acompanhados de ação, contudo, é verdade também, que ações nada são se não vierem regadas de verdadeiros afetos. Na união do coração e da ação reside o segredo do verdadeiro amor cristão.

Seja o Senhor o fundamento de todo nosso afeto e de toda nossa ação, e que possamos viver e compartilhar o verdadeiro amor que brota no coração enternecido daquele que só ama e só pode amar porque primeiro foi amado verdadeiramente por aquele que nada mais é do que o próprio amor.

Que Deus nos alcance!