E se o Brasil fosse Sodoma ou Gomorra?

“Moro, num país tropical, abençoado por Deus, e bonito por natureza…”

Essa música do Jorge Bem Jor revela um país lindo, maravilhoso, onde deveríamos ter orgulho de morar. Um país com tantas belezas naturais, abençoado por Deus por não sofrer nenhum tipo de desastre natural – como tsunamis, erupções vulcânicas, terremotos e ciclones – deveria ser considerado um paraíso na terra, porém esse paraíso está infestado de cobras que seduzem o seu povo pela maçã do mal.

O nosso país sofre por mãos humanas, por mentes que não possuem o Espírito de Deus para orientar e conduzir. Vivemos em um país que foi tomado pela enchente da corrupção há muitos anos e, ao invés dessas águas baixarem, elas só aumentam, matando seu povo afogado em escândalos.

Dizem que o espírito corruptivo já veio a bordo das caravelas portuguesas, que enviavam trabalhadores às terras tupiniquins lhe oferecendo liberdade para fazer o que bem entenderem aqui. O primeiro caso de nepotismo aconteceu com Pero Vaz de Caminha, que pediu ao Rei D. João que seu sobrinho viesse para cá assumir um cargo de confiança. Já o primeiro caso de ficha suja, aconteceu quando o rei enviou ao país Pero Borges para exercer o cargo de ouvidor-geral. Pero foi um político corrupto que havia desviado muito dinheiro em obras que supervisionava em Portugal e, como o rei não o queria por lá, lhe enviou para cá.

De lá para cá se passaram mais de 500 anos e diversos escândalos. Não tenho como citar todos, mas, só para refrescar nossa memória, vale lembrar do “caso Collor”, “anões do orçamento”, “escândalo dos bingos”, “escândalo dos correios”, “mensalão”, “escândalo das ambulâncias” e por último a tão famosa “operação lava-jato”, conhecida como “petrolão” e, segundo o procurador da república, Hélio Telho, teremos um escândalo muito maior que o da Petrobrás, e para ele será o do BNDES.

“Que País é esse?” Já perguntava Renato Russo em 1978. Que país é esse que perde cerca de 2,5% do seu PIB anualmente para a corrupção?

Para servir de base, o Brasil investe cerca de 3,8% do seu PIB na saúde, então você pode imaginar o quanto essa quantia faz falta.

Estava lendo Gênesis, quando vi a passagem onde Abraão bateu um papo com Deus e o perguntou insistentemente se houvesse 50, 40, 30 justos em Sodoma e Gomorra, o que Deus faria, se Ele pouparia a cidade. Deus todas a vezes disse que pouparia sim, por amor a esses justos.

E o Brasil? Quantos justos ainda há nesse país ao ponto de Deus ainda estar tendo misericórdia?

Bill Hybels, pastor norte-americano, presidente da Willow Creek, carrega consigo uma frase célebre: “A igreja é a esperança do mundo”.

Será que podemos dizer que a esperança do Brasil está na igreja evangélica que cresce a cada ano?

Infelizmente não há tantos justos assim no meio gospel brasileiro. Assim como há escândalos de corrupção na nossa política, alguns líderes religiosos evangélicos estão cada vez mais mostrando seu lado podre e corruptivo e não estou falando dos bispos das Renascer presos por desvio de dinheiro, nem tampouco das famosas maracutaias universais, que fazem os seus fiéis quererem negociar uma propina santa com o Altíssimo, trocando o dízimo por casa, carro, fazenda, etc.

Recentemente li sobre o aumento das igrejas evangélicas nas favelas cariocas e que em muitas comunidades não há mais terreiros de umbanda. Um notícia dessa deixaria muito crente alegre, mas o que me deixa triste é saber que esse aumento é causado pela conversão de traficantes que não abandonam o tráfico, estes dizimam na igreja e estão expulsando qualquer pessoa que bata tambor ou se vista de branco na comunidade.

Hoje eu li sobre três pastores mundiais do poder, que foram presos por negociar armas com os traficantes, sendo que seu líder-mor já havia sido preso por uso de armas de fogo.

Outro pastor foi preso por estuprar algumas fiéis e, quando foi solto, deu entrevista dizendo estar passando por perseguição.

Para fechar a lista ainda me deparo com o nome de dois deputados da bancada evangélica na tão temida lista da “operação lava jato” que saiu no último dia 6 de março.

Onde estará a esperança do mundo, se aqueles que se dizem missionários de Jesus o desonram a cada minuto?

O problema maior é que o pecado parece estar entranhado no sangue do povo brasileiro e os que se dizem cristãos estão surdos e não ouvem o Espírito Santo, promovendo um “panelaço” contra nós, se manifestando contrário a nossas ações, clamando em nossos ouvidos diariamente, dizendo para não sonegar o imposto, para não furar a fila, para não comprar o produto pirata, para não entregar o atestado falso, para não subornar o guarda de trânsito, para não roubar energia, para não fraudar a seguradora e alertando com vários outros nãos.

E se o Brasil fosse Sodoma ou Gomorra? Onde estaríamos eu e você?

Será que seríamos poupados como Ló e sua família? Ou será que seríamos queimados vivos pela ira de Deus?

“Então Abraão disse ainda: “Não te ires, Senhor, mas permite-me falar só mais uma vez. E se apenas dez forem encontrados? ” Ele respondeu: “Por amor aos dez não a destruirei”. Gn 18:32

Que não sejamos apenas Ló, mas que eu e você sejamos vários justos que irão salvar esse país do lamaçal podre, no qual se afunda dia após dia.