Lobos são letais!

“Cuidado com os falsos profetas: eles vêm até vós vestidos de ovelha, mas por dentro são lobos ferozes.” Mateus 7:15

Já não podemos suportar o peso da religião. Quando ignoramos que existem os lobos, colocamos em risco a vida das ovelhas. Não há como negar que adotar e seguir a risca a religiosidade e suas condutas pode até ser moralmente bem visto e agregar um valor visível, mas durante a história da civilização isso gerou prejuízos incontáveis a humanidade. Temos inúmeros exemplos, principalmente se pegarmos a história de igreja inquisitória, que, por exemplo, matou milhares em nome de Deus com a missão equivocada de evangelizar erroneamente. A religião mata! 

Nos dias de hoje, parece que pouco mudou. A igreja não conseguiu recuperar a mensagem inicial de Cristo, mas tem se tornado cada vez mais inquisitória, preconceituosa e indiferente. Em menos escala, mas tem.

Apenas ter uma religião pode ser diferente de ter luz da verdadeira realidade cristã. Parece que temos nos empenhado para  associar nossa imagem a um demonstrativo de superioridade em relação a aqueles que não professam fé. Resumimos o evangelho a ir a igreja e cumprir com os preceitos cerimoniais. Acontece que isso não é indicativo verdadeiro de que alguém pertence a Deus.

É preciso saber que um Deus que se faz real,  participa da condição humana e não se expressa por meio da arrogância, da indiferença, da superioridade, da conduta moral, do orgulho, do castigo, da ostentação que a igreja moderna tem se afirmado. Para muitos de nós, somos superiores porque não fazemos como os demais homens. Esse é o engano!

Nós podemos até  nos esconder dos outros, mas do próprio coração é impossível. Ser religioso tem nos tornado amigo dos sistemas humanistas, hedonistas, meritocratas, imediatistas, relativistas, é, por sua vez,  tem nos tornado inimigo do evangelho de Deus.

Dentro desse contexto, fica difícil separarmos quem é o “lobo” e quem é o “cordeiro”, pois os dois apresentam a mesma aparência, a mesma face “santificada”. Os lobos sabem falar sobre a bíblia, são aparentemente “boas pessoas” do ponto de vista moral, são impecáveis e irrepreensíveis aos nossos enganosos olhos, mas escondem por de trás um sistema cansativo e performático composto por um evangelho falsificado.

Eles se parecem muito com a imagem de Deus, mas no fundo são cobras criadas prontas para atacar e arrancar tudo dos seus servos. Os inimigos de Deus estão infiltrados entre o povo Dele e logo captam a essência comportamental comum, além de promover de forma convincente suas falas maldosas,pois  são ótimos manipuladores, e usam principalmente da moral cristã (os mandamentos) e dos princípios (os valores) para distorcer a verdade absoluta do reino em seu favor.

Essa classe de líderes travestidos da cristandade tem dominado boa parte da massa ditas cristãs, por simples motivos:

 O tradicionalismo irredutível

“E Jesus disse-lhes: Adverti, e acautelai-vos do fermento dos fariseus e saduceus.” Mateus 16:6

O tradicionalismo engessa a possibilidade de questionamento. Muitas dessas referências de líderes não são sujeitadas a realidade do questionamento. Eles desempenham uma liderança déspota e centralizadora, que impõe leis aos fiéis e define para onde a doutrina e igreja vai andar a força.

São lideres que não passam de ditadores de comportamento e se escondem dentro dos títulos assumindo-se como represente divino, com o fim de se auto-afirmar. Eles querem ocupar o lugar no trono de Jesus e direcionam a igrejas a suas convicções, vontades, desejos, com certo ar “santificante” que hipnotiza suas ovelhas.  Dizem-se  “ungidos”, mas se esquecem só há espaço para um: Jesus, o filho de Deus.

O tradicionalismo religioso, em muitos casos, sufoca a graça de Jesus na cruz.

A busca pelas “boas palavras” unida à fuga da realidade de morte

“Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo” Colossensses 2.8.

Há um movimento dentro das igrejas que se confunde a mensagem do evangelho com a mensagem do otimismo sem profundidade. Os tais “lobo” se baseiam numa teologia do sucesso para arrecadar membros e sustentar sua fortuna, e se esquecem de pregar o sacrifício que Jesus expõe em Mateus: “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz, e siga-me” e a graça que vinha após isso.

 Há uma tentativa de levar uma mensagem “leve” aos ouvidos dos cristãos e deixar de expor a realidade de morte a qual o nosso pecado nos inseriu com Adão. O foco da mensagem não é a graça, mas a “sorte de bênçãos” que alguém pode atingir quando se rende a Cristo. A mentira não está na mensagem, mas sim na enfase equivocada.Quando abraçamos um Deus que é um meio de alcançar coisas criamos assumimos o perigo de viver uma vida religiosa sem estar de fato com Deus, e criamos uma relação de causa-benefício, transformando Ele em um meio de adquirir feitos, bênçãos e desejos. Assim, caminharmos lentamente para   fazer do bens e dinheiro o nosso Deus. Não se esqueça! Os inimigos de Deus são amigos dos desejos dos homens.

Falta de conhecimento bíblico.

“O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento.” Oséias 4:6

Não conhecer a bíblia é o erro mais grave e mais corriqueiro que os cristãos praticam. Quem não conhece a bíblia não sabe se defender desses falsos cordeiros, pois sem entendê-la, são presas fáceis de ser enganadas. Muitos cristãos têm sido iludidos porque aceitaram as palavras desses homens sem consultar as escrituras, ou ainda, até consultam, mas não entendem o que leem ou se rendem a interpretações equivocadas. Essa dificuldade é geral.  A ignorância a respeito da bíblia tem levado muita gente a adotar teologias mais diversas possíveis.

Além disso, alguns de nós lemos a palavra, mas apenas superficialmente, não temos o hábito de contextualizar, entender, por isso aceitamos uma mensagem fora do contexto como verdadeiras. Alguns de nós permanece cheio de dúvidas simplesmente porque temos vergonha ou medo de questionar. Conheço bons cristãos, mas que estão perdidos na ignorância pela falta de conhecimento bíblico. Gente que tinha tudo para ser um bom cristão, submissão, obediência, sabe seu papel social, mas se venderam ao péssimo evangelho por não se relacionar com as escrituras. A bíblia em mãos maldosas é uma arma de mentiras. Ser bíblico não é citar a bíblia, mas é ser assertivo nos suas conclusões.

Pulando para fora da religião.

“Pois muitos andam entre nós, dos quais, repetidas vezes, eu vos dizia e, agora, vos digo, até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo.” Filipenses 3:18

De todos os males, o pior é quando nos entregamos a essa religiosidade que parece dar sentido, mas é vazia de significado. Uma religião que nos joga para cima, mas não acolhe na queda. Uma religião que é cheia de símbolos, mas pouca verdade. Uma religião que exalta gente, e diminui Deus. Uma religião que promete, mas só cumpre com sacrifícios. Uma religião bonita e útil, mas traiçoeira e mortal. Lobos são letais, e se não nos atentarmos, seremos instrumento dessas pessoas, que tem cara de cristão, se comporta com tal, fala como tal, e até professa o Senhor, mas são ferramentas de Satanás no meio da igreja.