Modinhas e surpresas

Todo mundo merece paciência e misericórdia pelos anos de adolescência. As coisas que a gente faz quando está nessa fase merecem serem ponderadas com algum grau a mais de compaixão.

Uma das coisas que quase todo adolescente faz é passar por uma fase de gostar do que ninguém gosta – a despeito de todos os outros adolescentes também gostarem. Geralmente isso aparece na roupa, estilo e na música. Afinal, quem nunca disse que a banda que todo mundo escuta é ruim só por ser famosa?

No meio cristão, como não podia deixar de ser, isso acontece demais. Quem nunca disparou que Hillsong é modinha e se gabou de estar ouvindo uma nova banda maravilhosa do noroeste do Zâmbia?

Isso é muito comum e muito bacana. É engraçado revisitar as rebeldias do passado e rir de quanta coisa boa a gente deixou de aproveitar porque não queria ser mais um. O problema é que essa fase tem que passar. E conheço muito marmanjo com seus 30 e poucos anos ainda chamando coisa de “modinha”.

Fazia um tempo que não parava pra ouvir música “cristã”. Mas como fui muito fã do Hillsong United em outras épocas, decidi escutar o álbum novo, “Empires”, lançado este mês nos Estados Unidos. E minha surpresa não podia ser maior!

Musicalmente, creio que a banda tinha evoluído bastante. O “Aftermath” (2011) já tinha pontuado a mudança mais introspectiva até pelo fato deles terem voltado pro estúdio. O “Zion” (2013) já mostrou um amadurecimento dessa nova fase com um som mais fluido, com mais preenchimentos e menos distorções. Mas o “Empires” (2015), na minha opinião, é um fruto belíssimo da banda que resgatou uma qualidade que estava meio rara nos últimos trabalhos.

Acho que vale a pena conferir o som. Muito na contramão do movimento gospel mundial, Hillsong United consegue combinar uma musicalidade atual e envolvente com uma letra profunda e teológica. O ministério Hillsong é muito atacado – e creio que com bastante razão – por uma série de desvios da prática cristã. Mas não é sobre isso que quero falar.

As letras são belíssimas e a primeira faixa, “Here Now (Madness)” é um exemplo magnífico disso. Joel acertou bastante em combinar orações pessoais com uma clara referência aos dois primeiros capítulos de 1 Coríntios. As referências saltam aos olhos de quem está familiarizado com o texto.

Quero concluir dizendo que estou com o coração confortado. Estava carente de ouvir coisas boas com uma letra abertamente cristã desde que Os Arrais deixaram de lançar coisas novas. Mas, ao que aparenta, minha orfandade acabou.

Fui bastante tocado pela música. Praticamente a cada dois versos, um texto bíblico vinha ao meu coração. Para mim, pura bíblia cantada em uma melodia inspiradora e bela. Arrebatador! Para quem não manja muito inglês e para sugerir um estudo mais profundo da biblicidade da letra, segue minha tradução pessoal com os textos ao lado!

Espero que você seja abençoado como eu tenho sido. Prepare o “replay”!

Here now (Madness) – Tradução Livre

Os céus giram sua dança dentro do Seu sopro (Salmo 33:6)
O tempo faz seu caminho dentro da Sua mão (Is 46:10)
E minha mente tenta compreender
O que mente alguma na Terra jamais poderá compreender (1 Co 2:19)

Seus caminhos são mais altos
Seus pensamentos indomáveis (Is 55:9)
O amor veio como loucura
Derramado em sangue – como romance (1 Co:1:19)
Não faz sentido algum mas isso é graça (1 Pe 3:18)
E eu sei que estás aqui comigo neste lugar (Mt 28:20)

Aqui, agora
Tudo que eu sei é que estás aqui agora (Hb 13:5)
Meu coração está calmo
Que a sua voz seja a única coisa que eu ouça agora (Lm 3:26, Hb 2:20)
Espírito, sopre
Como o vento, sopre onde quiser (Jo 3:8)
Porque eu sei que estás aqui neste lugar (Mt 28:20)

Fé zomba do que faz sentido
Porque a graça achou meu coração onde a lógica termina (1 Co 1:19)
Quando a justiça me chamou para pagar por todos os meus débitos
O Amigo dos pecadores veio em meu lugar  (Rm 5:6)

Pois eu sei que você está aqui agora
Coração e alma, Senhor, eu sei que você está aqui agora  (Hb 13:5)
Fixa os meus olhos nas coisas que eu não consigo ver (Hb 11:1)
E tudo que eu verei será a glória do Seu nome (Ap 21:1)