O dia em que meus pastores voltarem a ser meninos…

Eu sonho com isso. Sei de todos os escritos bíblicos à respeito do “santíssimo ministério” conheço suas referencias e confesso que hoje, o que procuro num cara para me pastorear, é bem difícil de encontrar por aí.

O dia em que meus pastores voltarem a ser meninos, descerão do púlpito, jantarão na minha casa, olharão nos meus olhos e saberão as crises de fé, de amor, de conduta e de relacionamento que enfrento na minha vida.

O dia em que meus pastores voltarem a ser meninos, sairão do gabinete e me apoiarão no sonho de orar com e pelas prostitutas, visitaremos os velhinhos dos albergues, conversaremos de mais coisas além do chatíssimo assunto: planejamento do ministério.

O dia em que meus pastores voltarem a ser meninos, eles mandarão mensagens, não com versículos bíblicos, pedindo favores, “exortando em amor”, nem mesmo divulgando um evento, mas me perguntarão como estou, olharão nos meus olhos cheios de lágrimas e me abraçarão chorando junto.

O dia em que meus pastores voltarem a ser meninos, eles não terão respostas prontas, não terão falas genéricas, não repetirão conselhos, mas conhecerão a minha história e falarão ao meu coração, sem se preocupar se isso confirma ou anula completamente os jargões evangélicos, mas mostrarão que se preocupam com o meu coração.

O dia em que meus pastores voltarem a ser meninos, eles não ligarão se a sua pregação foi boa, mas se alegrarão imensamente pelo privilégio gracioso de anunciar a palavra de Deus.

O dia em que meus pastores voltarem a ser meninos, eles não serão conhecedores de tudo, mas tremerão e agonizarão diante de Deus pelo povo para quem são ministros.

O dia em que meus pastores voltarem a ser meninos, sairão das certezas e peregrinarão no caminho da fé, onde o caminho é Cristo, a mensagem é o Reino de Deus e nossa força, o Espírito Santo.

O dia em que meus pastores voltarem a ser meninos, sonharão de novo em ser grandes avivalistas, em pregar a mensagem do evangelho crendo que ela transformará o mundo, nos livrará do orgulho, do egoísmo e nos ensinará o compartilhar, o repartir e a viver em comunidade.

O dia em que meus pastores voltarem a ser meninos, nós os reconheceremos como homens de Deus, gente que o obedece na ingenuidade da fé, do amor e do zelo pelo Reino de Deus.

Mas eu sei que não podemos fazer os pastores voltarem a ser meninos, porém talvez nos comprometer a sermos meninos diante do Pai, que anseiam somente o Pai, fazê-lO conhecido e adotar o máximo de irmãos possíveis, para brincar, amar e correr pela casa do Pai.

Mas são só os “meus” pastores que estão falhando, vocês não tem nada com isso, eu sei.

Que Deus nos ajude e nos mantenha meninos apaixonados, porque deles é o reino dos céus. Em nome de Jesus.

Em amor.


Foto: Adriana Varella