O livro que Edir Macedo não leu

O livro Hebreus é um dos meus preferidos. Não conhecemos seu autor, mas é simples compreender através da mensagem, como se encontravam os irmãos a quem essa carta foi endereçada. Logo após a expansão da igreja em Atos, diversos problemas surgiram. O que está presente em Hebreus é claro: os judeus que receberam com alegria a mensagem de Cristo estavam querendo resgatar os usos e costumes da antiga aliança (antigo testamento). Algo como um sincretismo religioso onde as práticas do judaísmo estariam presentes na recém adquirida prática cristã.

Passados os primeiros dias da sua conversão, esses irmãos olharam pra sua tradição histórica e quiseram retornar às práticas que tinham abandonado: sacrifícios, templo, circuncisao, etc. Em suma, os aspectos ritualísticos da lei de Moisés.

Por esse motivo, a estrutura da carta é voltada nesse sentido. O autor ressalta a superioridade de Jesus aos anjos, a Moisés, aos sumos sacerdotes, aos sacrifícios, ao templo, etc.

Isso é uma ilustração para os nossos dias, indicando que as ofertas e os sacrifícios oferecidos não podiam dar ao adorador uma consciência perfeitamente limpa. Eram apenas prescrições que tratavam de comida e bebida e de várias cerimônias de purificação com água; essas ordenanças exteriores foram impostas até o tempo da nova ordem.” (Hebreus 9.9 e 10)

Eis aqui onde acho que Hebreus continua tão aplicável hoje quanto foi no primeiro século. Depois de experimentar as riquezas da graça, assim como os primeiros judeus, o Brasil assiste um retorno ao judaísmo.

Não apenas na construção do templo de Salomão, mas também na presença de arcas, shofares (instrumentos usados por Israel), candelabros, vestimentas, etc. A figura de Edir Macedo usando o manto sacerdotal e quipá não é só icônica como também alarmante. Precisamos relembrar que os aspectos da Lei no que tange a esfera ritual ficaram no passado. Quando Cristo veio como sumo sacerdote dos benefícios agora presentes, ele adentrou o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito pelo homem, isto é, não pertencente a esta criação.

Hebreus 9:11

O véu foi rasgado. Cristo escancarou a presença de Deus para todo aquele que crê. Esses tipos (símbolos) caíram por terra uma vez que o sacrifico de Cristo foi suficiente. Não precisamos mais de sacrifício, ele foi o cordeiro definitivo. Nem de sacerdotes, ele é nosso sacerdote. O Senhor não habita mais em templos, somos sua casa.

Não por meio de sangue de bodes e novilhos, mas pelo seu próprio sangue, ele entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, e obteve eterna redenção. quanto mais, então, o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu de forma imaculada a Deus, purificará a nossa consciência de atos que levam à morte, de modo que sirvamos ao Deus vivo!

Hebreus 9:12 e 14

A construção do templo de Salomão, junto com as igrejas e grupos de louvores que resgatam o antigo testamento ferem frontalmente o ensino não só de Hebreus, mas também de muitos escritos de Paulo. Não existe mais poder nenhum nesses usos e costumes. Cristo comprou pra nós um caminho eterno e direto ao pai com sua morte na cruz.

Não queira profanar esse sacrifício do filho de Deus voltando as coisas antigas que Ele mesmo destruiu. Não queira fechar o caminho que foi aberto no calvário. Existe uma ordem expressa a nós de não retornar às antigas obras da lei. A ordem agora é viver pela fé no filho de Deus que cumpriu, cabalmente, as firmes exigências da lei.

Seja livre em Cristo Jesus!