O vazio que há no coração da Rainha Má

No seriado Once Upon a Time, que mistura a todo tempo o mundo do conto de fadas e o mundo real, a Rainha Má do conto da Branca de Neve se chama Regina Mills no mundo real, uma mulher poderosa, que consegue o que quer com seus feitiços, exceto o amor e admiração das pessoas, inclusive do seu filho.

No conto original dos Irmãos Grinn, ela deixa seu coração ser tomado por um ódio enorme que a faz querer a todo tempo acabar com a vida de sua enteada, Branca de Neve, simplesmente por essa ser considerada mais bela.

Em Once Upon a Time, descobrimos um pouco mais sobre essa personagem e vemos que há bondade na Rainha Má, entretanto, nem mesmo ela sabe disso.

Quando jovem era uma menina boa, mas os conflitos que houveram com sua mãe, que a queria como parte da realeza a todo custo, a fez crescer cheia de traumas. A Rainha não teve a família ideal e não conseguiu construir uma, pois nem mesmo conseguiu viver com o grande amor da sua vida, o que a fez crescer um vazio enorme em seu coração, o qual foi tomado por ódio, tristeza e insegurança.

Como o tema desse blog não é filmes e seriados, e eu não quero me estender demais falando sobre a personagem, ao ponto de revelar spoliers, vou focar nossa leitura no vazio do coração de Regina, o mesmo vazio que há no coração de muitas pessoas.

Para conseguir vencer os traumas que há em seu coração, a Rainha Má busca preenchê-lo com vingança. Há pessoas que tentam preencher com um amor irreal e se tornam vulneráveis a qualquer um. Tem outras que tentam preencher com sucesso, fama e riqueza e vivem a vida em busca desse objetivo, passando por cima de tudo e todos.

Mas o vazio nunca será preenchido por completo, sempre haverá um vazio, pois o nosso coração é cheio de pecado, é mal e enganoso, e não temos forças em nós mesmos para preenchê-lo de verdade.

Em Romanos, o apóstolo Paulo nos fala que não há nada de bom no ser humano, pois nascemos em pecado e somos dominados por ele.

“Sei que nada de bom habita em mim, isto é, em minha carne. Porque tenho o desejo de fazer o que é bom, mas não consigo realizá-lo. Pois o que faço não é o bem que desejo, mas o mal que não quero fazer, esse eu continuo fazendo.” Rm 7:18-19

O Rei Salomão – que teve vários amores, sucesso, riqueza e fama – revela em Eclesiastes, logo no primeiro capítulo, que tudo na vida é ilusão, que tudo que o homem faz é inútil, que é como correr atrás do vento. Vemos, então, que havia um vazio no coração do homem mais rico e sábio do planeta.

No capítulo 9, Salomão conclui que o coração humano está repleto de maldade e de loucura:

O coração dos homens, além do mais, está cheio de maldade e de loucura durante toda a vida; e por fim eles se juntarão aos mortos.”

Lendo essas afirmações de dois homens sábios, como o Rei Salomão e o apóstolo Paulo, como posso ainda tentar por mim mesmo preencher com algo bom o vazio que há aqui dentro? E é nessa busca por preenchê-lo com algo bom que o homem se engana e acha que só porque encontrou o homem/mulher ideal, tiveram filhos e possuem a família perfeita, o vazio está preenchido. O homem acha que só porque conhece a Deus, frequenta a igreja, faz atos de bondade e possue uma religião, o vazio está preenchido. Mas não está, pois tudo isso um dia passa. O casamento, por exemplo, mesmo que dure até a morte, um dia acaba. Para quem fica, as boas lembranças não são suficientes para preencher o vazio que se forma.

O profeta Jeremias deixa isso bem claro no capítulo 17, verso 9:

“O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo?”

Faço coro ao profeta nessa hora e pergunto: Quem é capaz de compreendê-lo e preenchê-lo? O versículo 10, do capítulo 17 de Jeremias responde nossa pergunta:

“Eu sou o Senhor que sonda o coração e examina a mente, para recompensar a cada um de acordo com a sua conduta, de acordo com as suas obras. “

Santo Agostinho responde a pergunta com a seguinte afirmação: “O homem tem um grande vazio dentro de si. Esse vazio é do tamanho de Deus!” Preencher esse vazio com Deus é deixar que Ele assuma o controle da nossa vida, é se entregar todos os dias a Ele, ouvindo e praticando o que Ele nos ensina através da sua palavra.

Isso é mais do que frequentar a igreja, é mais do que seguir uma religião, é mais do que a busca por dons e poderes espirituais. Salomão, depois de toda desilusão vivida no primeiro capítulo de Eclesiastes, conclui o livro afirmando no final do último capítulo:

“Agora que já se ouviu tudo, aqui está a conclusão: Tema a Deus e guarde os seus mandamentos, pois isso é o essencial para o homem.” Ec 12:13

O vazio do coração da Rainha Má pode ser preenchido por Deus, assim como o meu e o seu coração pode ser preenchido verdadeiramente por Ele, não sobrando espaço para os ódios, mágoas e tristezas.

Que a nossa oração seja a de Davi:

“Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro de mim um espírito reto”. Salmo 51:10