Como ouvimos?

O que estamos ouvindo, como estamos ouvindo,
de quem estamos ouvindo?

Quero chamar a sua atenção para uma necessidade fundamental através da qual fluirá nossa crença, nosso ensino, nosso modo de viver e nossa disposição para pregar o evangelho. Essa necessidade chama-se: saber ouvir. A pergunta, então, é: “O que”, “como” e “de quem” estamos ouvindo? Qual é a fonte que nos instrui?

Sabemos que para sermos fiéis ao nosso chamado precisamos compreendê-lo bem a fim de que possamos transmiti-lo bem na formação de novos discípulos de Cristo. Pois bem, o texto que se encontra no Evangelho de Lucas 8.18, traz-nos a seguinte advertência: “Portanto, tomem cuidado e vejam como vocês ouvem. Porque quem tem receberá mais; mas quem não tem, até o que pensa que tem será tirado dele”.

Tenho visto discípulos cansados, desmotivados, sem objetivo, fora do propósito de Deus, paralisados, engessados, aparentemente perdidos. Sua adoração não flui, e o vigor espiritual se esvaiu. O que estamos ouvindo, como estamos ouvindo, de quem estamos ouvindo? O que nos dá energia, por acaso, não é o pão espiritual? O que nos motiva não é o Espírito Santo? Nossos propósitos não são os propósitos de Deus? O que nos faz caminhar não é o nosso “alvo para alcançar o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”?

Mergulhemos na doce alegria do Espírito, adoremos ao Criador em espírito e em verdade, convidemos nossos amigos para ver como é nossa adoração e o que nos motiva a adorar, voltemos a nos inclinar ao estudo da Palavra, à oração, enchamos o templo, valorizemos esse lugar como espaço de adoração e louvor, como diz o salmista: “A minha alma anela, e até desfalece pelos átrios do Senhor; o meu corpo e o meu coração cantam de alegria ao Deus vivo. Como são felizes os que habitam em tua casa; louvam-te sem cessar. Como são felizes os que em ti encontram sua força, e os que são peregrinos de coração” – Salmo 84.2-4. “Vejam como vocês ouvem”. Vejam como vocês ouvem e recebem a semente da Palavra de Deus. Jesus quer que ouçamos Sua Palavra como “terra boa”, com o coração disposto a pô-la em prática. Henry diz: “Na escuta da Palavra voltemos ao primeiro amor,  o ser humano se torna fiel ao dom de Deus, da própria vida; se não a escutar, ele se tornará como fundamento de seu próprio ser e agir, e nesse egoísmo radical perderá o sentido da vida no meio dos cuidados do mundo e dos seus afazeres”.

Quando éramos desobedientes, quando crianças, mamãe nos intitulava de “maluvidos”, não dávamos ouvidos ao que ela falava. E é assim o ser humano, não valoriza o fato de ouvir. A audição é o último sentido que se vai quando as pessoas estão à morte, em coma ou até anestesiado.

Jesus disse que o “ter” e o “não ter“ está relacionado à capacidade de ouvir e crer na mensagem do evangelho, como “terra boa” que dá muitos frutos. Nesse caso: “Quem tem receberá mais; quem não tem, até o que pensa que tem será tirado dele”. Certamente os que “ouvem” terão o entendimento e a satisfação de repartir, “Anunciando as Boas Novas”. Que Deus nos abençoe!

Texto de Gerson Salustre.