Parar, pensar e estourar

Eu parei e pensei nas dificuldades do mundo, fiquei mudo, extasiado, transtornado e não tive reação.

Eu parei e pensei nas lutas de tantas pessoas sem rosto, sem identidade por não serem conhecidas por mim, nem por meus queridos companheiros cristãos.

Eu parei e pensei nas estatísticas que mostra o crescimento da igreja e o aumento da violência contra toda sorte de pessoas presentes na sociedade.

Eu parei e pensei nas grandes dificuldades econômicas, nas crises, no preço dos alimentos e na quantidade de pessoas que por decorrência de fatos como esse, enfrentarão dificuldades ainda maiores quanto ao que comer e o que vestir.

Eu parei e pensei nos caras que dormem na rua, que estão com roupas estragadas, rasgadas e em fiapos, na pouca ou nenhuma esmola que ganham para a sua sobrevivência, e como aqueles que ajudam, realmente acreditam estar fazendo muito (mesmo que seja com apenas alguns pedaços de pão e alguma mistura).

Eu parei e pensei. Mas parar e pensar não foi o suficiente. Aliás, até foi, foi o suficiente para mostrar que a minha fé ainda não é ativa.

Parar e pensar denunciou um orgulho proeminente dentro do meu coração em lutar pela justiça, não necessariamente fazendo justiça, mas reclamando do mundo.

Parar e pensar me mostrou como a minha fé é vã, pois pouca ou nenhuma motivação dessa se tornou um pedido de oração ao Eterno, que se compadece de tal forma que é incomparável a minha.

Parar e pensar não me levou a uma busca intensa por resposta bíblica, teológica, ou mesmo científica em como colaborar com a sinalização do reino do Pai dos céus aqui na Terra.

Parar e pensar, ultimamente, tem feito muita gente se tornar insuportável. Aliás, parar e pensar tem me feito perceber que, em alguns momentos, eu tenho sido um desses.

De verdade, parar e pensar não basta. Parar e pensar é um bom começo para uma realidade cristã que nem isso faz. Vive no automático, fazendo as mesmas coisas a muito tempo. Parar e pensar é bom para quem não sabe dialogar, que quer se impor e fazer os outros engoli-lo. Esse não pensa faz tempo, mas tem espaço porque não incomoda mais.

Parar e pensar incomoda, porque sugere novas alternativas. Mas sugerir novas alternativas não nos servirão de nada se não forem acompanhadas na direção desses passos.

Nessa semana, para você que está no automático, gostaria de propor um tempo para que pare e pense. Para você que pensa há algum tempo, gostaria de sugerir um caminho. E para você que já trilha o caminho, gostaria de dizer, vamos juntos para o estouro.

Para você que precisa pensar, olhe a realidade, peça sinceridade de gente que te olha nos olhos e entenda as críticas como sinal de amor e de busca por melhorias para melhor aproveitamento e sinalização do reino de Deus.

Para você que está pensando à algum tempo, o caminho é o da cruz, não adianta a sua mensagem ser de revolução se você não estiver disposto a morrer por ela.

E você que já está sendo crucificado à algum tempo, ganhando apelidos, críticas, perseguição, e outras coisas mais… Nos perdoe pela demora, mas nós os alcançaremos e viveremos como crucificados com Cristo, vivendo esse mesmo Cristo, em nós.

Fica o convite: vamos juntos pro estouro?

Que Deus te abençoe. Em amor e pelo amor.