Um por todos e todos por Um

– Eu procuro amigos – disse o pequeno príncipe. Que quer dizer “cativar”?
– É algo quase sempre esquecido – disse a raposa. Significa “criar laços”…
– Criar laços?
– Exatamente – disse a raposa. – Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu também não tens necessidade de ti. E tu também não tens necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo…’

(O Pequeno Príncipe)

O que Antoine Saint-Exupèry poetizou nesse trecho de “O Pequeno Príncipe” era já algo muito ensinado na Palavra. O termo grego koinonia aparece setenta e nove vezes na bíblia e quer dizer comunhão – uma harmonia no modo de sentir, pensar e agir, fazendo algo em conjunto, através de uma identificação, união e ligação plena. Comunhão é estar unido em um único propósito! E por que, afinal, a Comunhão é tão importante para nós?

A Comunhão muda o nosso caráter

Sempre me lembro de uma história sobre como os porcos-espinhos vencem o inverno. Para vencer o frio, eles se encolhem um próximo ao outro o máximo possível, para se aquecerem. Enquanto isso, porém, seus espinhos espetam uns aos outros, mas eles permanecem assim porque precisam um do outro para sobreviver. Deus nos fez seres sociais, mas é difícil viver em comunidade. Constantemente somos desafiados pelas nossas diferenças, somos feridos, machucados, apertados, diminuídos. Mas isso é normal quando vivemos com muitas pessoas e ouso dizer ainda que acredito que é por isso que Deus se agrada de ver-nos próximos e juntos.

Através da coletividade, Deus molda o nosso caráter, como uma faca é afiada por uma pedra, nenhuma das duas permanece como estava inicialmente, e assim, o Senhor nos faz mais parecidos com Ele, ensinando-nos a ser amáveis, humildes e caridosos. Em Sua Palavra, Deus nos orienta a aprendermos a honrar nossos companheiros (Romanos 12:10); a levar os fardos uns dos outros, como cada dificuldade e problema do meu irmão, fossem meus também (Gálatas 6:2); devendo colocar a minha própria vida em segundo plano e me desgastar pelo próximo, como Cristo se deu por mim (I João 3:16) e assim permanecer sendo bondoso, compassivo e perdoar, lembrando que da mesma forma como meu colega pode ter falhado comigo, eu também erro e machuco as pessoas.

A Comunhão mostra a importância de cada um

Em toda a Bíblia somos ensinados do quanto cada um, em sua particularidade, somos importantes para o Reino. Deus em sua infinita bondade nos amou de tal forma que viu em nós um potencial para trabalharmos no Seu lindo plano de formar uma grande e amorosa família, em que Ele é o Pai de muitos e muitos filhos. Como o Senhor nos ama incondicionalmente, Ele nos recomenda também a não fazer acepção de ninguém, mas em todos enxergar o amor e a importância que Ele dá e isso é confirmado em I Coríntios 12:25-27, onde Ele apresenta Sua graça multiforme, em que ao nos fazer um só Corpo Seu, cada um tem uma função diferente, mas igualmente importante para o bom encaminhamento de Sua Obra, assim como cada órgão trabalhando conjuntamente em uníssono mantém o organismo todo em equilíbrio.

A Comunhão nos faz mais fortes

A Palavra nos diz em Eclesiastes 4:9-12 que é melhor serem dois do que um, porque quando um precisar o outro estará lá para o ajudar. Não sei se você conhece a história de Neemias, mas ele foi um homem que compreendeu bem isso. Deus colocou uma tristeza profunda em seu coração pela destruição dos muros de Jerusalém e pelas dificuldades que o seu povo passava naquele lugar. Assim, Ele deu Neemias um grande propósito, que ele porém, não conseguiria cumprir sozinho. Foi assim que sabiamente Neemias dividiu o trabalho entre os voluntários e assim juntos reconstruíram os muros. Além disso, Neemias repreendeu depois os ricos que cobravam juros dos pobres porque era necessário que o povo estivesse junto e unido e nada devia atrapalhar essa comunhão.

A Igreja primitiva também compreendeu bem os ensinamentos de Cristo e foi graças a sua união que a Palavra foi espalhada e assim chegou até nós. Em Atos 2:44-47 diz que todos os que creram estavam unidos e tinham tudo em comum. Eles vendiam tudo o que tinham e repartiam por todos, de acordo com  a necessidade de cada um e assim, perseveravam unânimes louvando a Deus e dessa forma caiam na graça do povo e dia a dia, o Senhor acrescentava as pessoas que eram tocadas por essa nova forma de viver. Precisamos entender que juntos somos mais fortes para vencer as dificuldades que aparecerem e assim crescermos.

A Comunhão mostra ao mundo a diferença que Cristo faz

Em um mundo onde ‘é cada um por si’, as palavras de Cristo chocam ao nos instruir a amarmos uns aos outros como Ele nos amou (João 13:34-35), intercedendo até pelos nossos ‘inimigos’. É isso que muda o mundo ao nosso redor: o Amor de Cristo refletido em nossas ações. Quando formos perfeitos em unidade, as pessoas poderão ver em nós quem nos foi enviado e vive em nós (João 17:23).

Cristo nos fez seus amigos, quando estávamos afastados Dele por nossos pecados, para que com Ele fôssemos passar a eternidade. ‘Você se torna ETERNAMENTE responsável por aqueles a quem cativa’, já dizia o livro ‘O Pequeno Príncipe’. Não pense no seu próximo como um obstáculo para a sua paz, mas sim como uma forma de Deus te abençoar, te amar e cuidar, te transformar, te mostrar a sua importância, te fazer mais forte e um diferencial para outros. Você não é responsável apenas pela sua salvação, mas também por se empenhar e desgastar para que outros venham a morar para sempre no Céu com você. Como Cristo se deu por todos nós, por gratidão e amor, devemos lutar juntos para a cada dia dar-nos mais a Ele.