O amor não são regras

Amar  traz consigo compromisso,
responsabilidade e entrega

“[…] ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.” 1 Coríntios 13:3

O amor não pode existir somente debaixo de uma lei ou uma regra a ser seguida, muito menos pode nascer de uma imposição da liderança, grupos ou da comunidade. Muitos dos nossos jovens se “alimentam” de preceitos e princípios sem ao menos “digerir” o que está “comendo”.

Tenho ficado cada dia mais assustado e apreensivo em relação a como estamos ensinando nossos jovens e adolescentes sobre o amor. Sei que muitos deles tem buscado métodos, fórmulas e diretrizes aparentemente “bíblicas”, eficazes e seguras de procurar ter certeza que vai se relacionar com alguém e que esse convívio não vai lhe causar problema e prejuízos no futuro, e para isso se sujeitam a obedecer a uma série de normas comportamentais que não ensinam o que é amar, mas apenas tem como proposta fiscalizar e regular condutas.

Para os sistemas da igreja, esse controle também é vantajoso porque ele promove uma sensação ilusória de que os jovens não tem “saído da linha”.  Para os pais, um alívio. Para os pastores e líderes, um anestésico mental. Para os jovens, sobra apenas um ensino equivocado e cheio de “meias-verdades”. Aparentemente, eles não bebem, não fumam e não transam, pelo menos não que se saiba. Essa é a ilusão.

Para a maioria dos educadores de jovens cristãos, é melhor enganá-los dizendo que se seguirem fielmente as fórmulas prontas que oferecem, todos terão relacionamento duradouros e saudáveis, no entanto, isso não é ensinar de fato o que é amor. É apenas uma maquiagem.

Talvez ninguém nunca tenha te contado, mas amar é muito mais que “Esperar, orar e casar”. Amar é outra coisa, traz consigo compromisso, responsabilidade e entrega.

O compromisso é saber que cristão só se relaciona com o objetivo de casar-se – ou seja, unir-se é muito mais que assinar papéis e participar de uma cerimônia e festa, mas sim ter uma união por meio de compreensão de que o outro é a extensão eterna de si e que ninguém pode se envolver para procurar felicidade, mas sim para oferecer felicidade – e constituir uma família – que é muito mais que morar juntos e  dividir a mesma cama, mas sim compreender que não existe mais individualidades, que não existe mais o “seu” e o “meu”, mas agora é tudo “nosso”, que não existe mais vontades individuais, mas sim um caminhar junto, que não existe mais “eu”, mas somente “nós”. Relacionamento é uma história compartilhada e não somente a união de duas histórias.

Muitos perguntam qual é a idade certa para começar a namorar. Bem, se você nunca pensou em se unir a alguém para que possam casar-se, ou se acha cedo para pensar nisso, talvez não importe muito a idade, mas você não está pronto para um relacionamento sério.Isso é só uma observação pessoal.  Relacionar implica em seguir o alvo de ficar juntos. Se algum sentimento como medo, insegurança, falta de confiança, ciúmes e etc.. for um problema hoje, provavelmente você vai alargar a gravidade disso no futuro. É preciso amadurecer. Namorar é mais que um status.

Sei que muito acreditam que existe perfeição em um verdadeiro amor, mas isso também é mentira. Um namoro segundo os parâmetros do Evangelho sabe reconhecer seus problemas e gerenciar segundo o  amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade. Ninguém deve exigir nada, mas sim compreender e aceitar que nem sempre sua vontade é a que será feita. O compromisso é o que nos direciona para o amor.

A responsabilidade é primordial para que saibam objetivar sua relação. Ninguém pode começar a se relacionar com o outro somente porque gosta da companhia, porque admira suas virtudes, sua beleza, ou ainda porque alguém lhe oferece uma atenção especial. O amor começa de dentro para fora e não o oposto. É natural apaixonarmos por alguém que gostamos de estar junto, admiramos, achamos bonito ou que nos trata de forma especial, mas saiba que não é isso que sustenta um  a permanência do amor, mas sim a responsabilidade de encarar juntos qualquer problema, conversar e resolver. Cada um com sua responsabilidade de amar em todas as situações, até as desfavoráveis..

Muitos pensam que a entrega é somente quando o casamento já está consumado. Esse é um erro grave. Não é possível dizer que alguém ama sem se entregar completamente ao outro. O casamento não é uma cerimônia. O relacionamento é uma realidade interna. Não é um “sim” verbal, mas um “para sempre” no sinceridade do coração. Se você descobrir que entregar-se é um privilégio, nunca mais sentirá vontade de seguir passos para fazer um relacionamento feliz, e entenderá que isso é uma tremenda bobeira.

Casamento é uma entrega eterna, por isso muitos não se sentem confortáveis para assumir. Casamento acontece no coração, por isso existem casados no papel que não se amam de verdade. Casamento é mais que sexo, é por isso que casar-se não garante sexo sem pecado. Sexo com pecado é sexo sem amor. E para praticar sem amor, não importa status civil, mas sim a honestidade da entrega de coração. É por isso que não devemos praticar o sexo como um bicho, seja casado, ou não. Sexo é expressão corporal de algo que aconteceu no coração e diante de Deus, cada um sabe a verdadeira intenção. Se você ama para se satisfazer, saiba que amar é andar na direção do outro em tempo integral, mas também se debruçar na verdade do amor. Amar é mais que sentimento é uma escolha convicta e eterna.

Nesse espaço, eu quero ser bem honesto com você. Não se deixe enganar pelos sistemas que prometem segurança e fórmulas de sucesso para relacionamento. Se atente a que é realmente importante. Não devemos seguir regras para amar, mas cada casal deve descobrir em si o que os move a ter um amor com comprometimento, com responsabilidade e com entrega verdadeira. Essa é a vontade do Senhor para todos que decidem se unir.

Esperar não trará perfeição ao seu relacionamento. O que  trará é a verdade,o respeito,  a intensidade e a sinceridade que está no mover-se em direção do outro. Lembre-se disso!  Ou vai apenas pensar que ama.

 

Murillo Leal é jornalista e escreve também no blog Crerpensando.
Contato: mumaleal@gmail.com
http://about.me/lealmurillo