Colecionando vida

Somos colecionadores, quer conscientes ou não.

É comum, no decorrer da vida de uma pessoa, fazer algum tipo de coleção. Há coleções de figurinhas, canetas, selos, discos, etiquetas, brinquedos, flores, fotografias, objetos antigos, e… há, com toda certeza, uma infinidade de possibilidades. As coleções ajudam a ampliar o conhecimento e, sobretudo, armazenar histórias.

Momentos, fatos, situações são lembranças que mais colecionamos. Ficam registradas como fotografias: um instantâneo inesquecível. Somos colecionadores, quer conscientes ou não. Posso colecionar alegrias ou tristezas, colecionar lágrimas ou sorrisos, colecionar pecados ou arrependimentos, colecionar coisas ocultas ou as reveladas. Cabe a cada um de nós selecionar o que quer colecionar.

O que você coleciona? O que faz questão de guardar para sempre?

Pense bem: Você coleciona mágoas e amarguras e diz que a culpa é da vida, dos outros? Ou você faz questão de ver diferente e coleciona o perdão, o arrependimento, a paz e sorrisos? As coleções surgem quando lembramos os fatos: como bons ou como ruins. Lembramos e relembramos. A mente fica dominada.

Podemos fazer o mesmo dentro do casamento. Colecionaremos boas lembranças e risadas ou colecionaremos problemas e dificuldades. O que você pretende colecionar? Como você pretende ver a tua vida a dois? Cuidado para não colecionar os erros do outro, os pecados do outro, os furos que comentem com você. Se isto começar a existir, corra para a cruz, e trate de se arrepender. A amargura pode estar se instalando.

Eu e minha esposa desde o princípio resolvemoscolecionar risadas. Não sei contar piadas e custo a compreendê-las. Eu sou a própria piada. Sempre nos esforçamos para fazer tudo certinho, mas surgem as gafes. E quantas! O vexame trocamos por boas risadas e até gargalhadas. A memória fica tranquila, o espírito em paz, e a vida corre solenemente o seu curso para o Pai. Somos colecionadores de “micos”.

Tu me farás ver os caminhos da vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente.” (Salmos 16:11)
Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo.” (Romanos 14:17)

Texto de Sérgio Avillez. Acesse pelamanha.com.