Reconstruindo pontes

“O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade” (Provérbios 17.17)

Queria conversar sobre umas das coisas mais bonitas que existem no meu ponto de vista, a amizade. É tão simples e ao mesmo tempo bela, mas às vezes deixamos ir aqueles tão queridos e nem ao menos paramos para perguntar o que foi que houve. Estamos ocupados demais para notar, e só percebemos mesmo quando já estão longe demais. E nem sempre estamos dispostos a fazer o caminho inverso para tê-los conosco novamente, geralmente não temos tempo ou coragem para isso.

Existem algumas pessoas importantes em nossa vida, que em algum momento marcaram profundamente nossa historia, mas que por algum motivo acabamos deixando para trás, perdemos a comunicação, abrimos mão da companhia agradável, seja por um mal entendido, uma desavença justificada ou simplesmente por causa da correria do dia a dia.

Na infância somos amigos de todos, qualquer outra criança é um parceiro em potencial para nossas brincadeiras. Ah, como as crianças são felizes. Na adolescência fazemos grandes amigos, amizades marcantes, amigos-irmãos. Quando adultos, às vezes deixamos para trás os velhos e bons amigos em troca do trabalho, do estresse e da rotina. Não vale pena, não é um troca sadia, é nesse momento que mais precisamos deles, pois a amizade é como um bálsamo que nos faz entender como somos importantes para algumas pessoas e como essas pessoas são importantes para nós.

Nos momentos mais difíceis que passamos nossos velhos amigos reaparecem e como é bom sentir que eles estão por perto. E que por mais que os dois tenham mudado, mas amizade continua a mesma. E as pessoas mudam, cada um de nós mudamos, mas esse não é o motivo para abrir mão das pessoas que amamos só porque ela não é mais a mesma de anos atrás. E por causa dessas diferenças que surgem acabamos construindo muros que nos separam dos amigos.

É hora de derrubar os muros que construirmos a nossa volta e construir pontes que nos ligam aos outros, porque ninguém consegue ser feliz sozinho.

Precisamos e muito uns dos outros, é o nosso orgulho que às vezes não deixa que notemos isso, achamos que “somente eu me basto”… Mas não é assim.

O perdão, a humildade e a compreensão são a matéria prima para nos ligar às pessoas que deixamos pelo caminho, as amizades rompidas e os amigos esquecidos. Vamos erguer as pontes quebradas.

Quando perdemos alguém que amamos, ou sentimos que estamos prestes a perder, tudo o que pensamos é como gostaríamos de ter tido mais tempo ao lado dessa pessoa, pensamos nos sorrisos que não demos juntos, nos lugares que não visitamos e nas alegrias que não compartilhamos. Da mesma forma quando alguém sabe que está perto da morte tem o mesmo pensamento. Porque no final o que importa mesmo são os relacionamentos que construímos.

A vida é curta, às vezes é curta demais para alguns. Por isso assuma seus erros e perdoe os erros dos outros, não temos tempo pra guardar ressentimentos. Dê sempre o primeiro passo em direção as pessoas, Cristo nos ensina que independente de quem cometeu o erro, nós sempre devemos buscar as pessoas, seja perdoando, seja pedindo perdão. Cultive amizades verdadeiras, não deixe que a correria te faça esquecer o prazer de uma boa companhia. Se doe, escolha um ombro para chorar, de seu ombro para os outros chorarem também. Porque a vida é bem mais bonita quando temos amigos para compartilhar tristezas e alegrias, para dividir as cargas. Pois os amigos de verdade nos amam em todos os momentos e nos momentos difíceis surge um irmão que compartilha nossa dor como sendo dele.

Se você tem amigos que estão do outro lado da ponte, saiba que alguns deles estarão ansiosos pela sua reaproximação e não vêem à hora de dar aquele longo abraço e te perdoar por estar a tanto tempo longe. Mas às vezes os que estão do outro lado da ponte podem se mostrar sem vontade de fazer as pazes, talvez estejam muito magoadas e precisem de mais tempo para voltar a confiar, mas devemos deixar claro que a ponte que nos une a eles está construída e que estamos aguardando pacientemente pela reaproximação.

Pare e pense um momento, existe alguém que você queria dizer o quanto é importante, mas que nunca teve coragem ou oportunidade, eis o momento. Tem um amigo que não fala a tempo e não sabe nem como começar uma conversa? Liga pra dizer que está com saudades. Sabe aquele amigo de tanto tempo que por causa de uma briga boba (ou uma briga seria mesmo) deixaram de se falar? Liga pra fazer as pazes, o perdão é restaurador. Magoa e ressentimento só serve pra fazer a gente adoecer.

Quero dedicar esse texto aos meus amigos de perto e aos de longe, aos recentes e aos de longa data, aos amigos reais e aos virtuais, que a ponte que nos une jamais seja quebrada, e se for, não medirei esforços para reconstruí-la.

Posts relacionados

Comentários