Sexo não é pecado

Há quem confunda ainda hoje, no século XXI, sexo com pecado ou pelo menos associe uma coisa à outra. Existe uma ideia firme que perpassa o consciente comum das sociedades, principalmente das ocidentais, de que Deus tem algum problema com sexo. Já vi, por exemplo, cenas de novelas globais atestarem categoricamente em horário nobre que o pecado cometido pelo primeiro casal no Éden foi ter praticado sexo e, em função disso, Deus teria se irado e os problemas no mundo teriam começado. Absurdo, não?

Vejo gente o tempo todo sem o menor conhecimento de causa, levantando a “bandeira pela liberdade sexual”, atacando os cristãos e a ética sexual cristã, apenas pelo fato de essa “ética” não estar completamente de acordo com determinadas concepções politicamente corretas a respeito do tema. Vejo, também, muita confusão dentro das igrejas. Gente que divide a vida ao meio como se o plano espiritual tivesse proeminência sobre o material, como se Deus fosse um ser muito mais preocupado com o que a gente faz e é no plano espiritual do que no dia a dia da vida, como se uma coisa não estivesse intimamente ligada à outra, como se não fosse Ele mesmo a fonte de toda e qualquer experiência de amor que venhamos a viver, inclusive a sexual. Se partimos de uma premissa de que o que é material, carnal, tangível e visível não é muito importante para Deus, fatalmente a sexualidade será atingida em cheio e distorcida drasticamente. Tudo isso acaba maculando a beleza e a importância do sexo. Tudo isso esconde a verdade simples de que o sexo foi criado por Deus e entregue graciosamente por Ele aos homens para ser desfrutado plenamente em todas as suas virtudes, benefícios e prazeres por um homem e uma mulher compromissados um com o outro dentro da aliança do casamento.

O sexo talvez seja o maior símbolo criado por Deus para sinalizar as alegrias e prazeres da nossa existência neste corpo. Estamos falando de uma grande celebração à vida! A mais íntima e bela que um homem e uma mulher poderão desfrutar ao longo de toda vida. Como podemos, então, cair no erro de demonizar o sexo?

Não podemos distorcer as coisas. Deus não é contra o sexo. Como poderia ser? Foi Ele próprio quem pensou e esculpiu todo o corpo humano, inclusive os órgãos sexuais. Foi Ele próprio quem colocou em nós as sensações, os desejos e o sentimento de prazer. Se Deus fosse contra o sexo, por que em sua palavra haveria um livro inteiro dedicado a esse assunto? O sexo deve ser praticado para a glória de Deus e Ele muito se alegra quando isso acontece. O problema de Deus nunca foi e nunca será com o sexo propriamente dito. O problema de Deus é com a nossa imoralidade, nossa desobediência e, principalmente, com o nosso orgulho em achar que sabemos mais do que Ele no que diz respeito a desfrutar da sexualidade humana. Aliás, é sempre assim, nós sempre nos consideramos suficientes e tratamos Deus como se Ele fosse dispensável. É assim desde que o mundo é mundo. O mais interessante nisso tudo é que mesmo o homem pecando deliberadamente todos os dias contra Deus, Ele ainda sustenta misericordiosamente todos os dias a raça humana! Quanto amor, não? Quanta paciência! Mas esse é um outro assunto que a gente pode tratar algum dia desses.

Voltando ao nosso papo, pensemos a nudez. A nudez que deve ser gozada e apreciada entre quatro paredes pelos casais hoje é exposta sem pudor algum por todas as partes e veículos de comunicação ao redor do globo. Enquanto isso, muitos homens e mulheres casados são amedrontados pela ditadura da “beleza” e não têm coragem de ficarem nus para o apreço e prazer de seus cônjuges, o que acaba causando desconforto e frustração no seio da relação. A que ponto chegamos! A nudez que deveria ser motivo de vergonha fora do casamento e celebração dentro dele hoje é motivo de celebração fora do casamento e vergonha dentro do casamento.

Os teólogos contemporâneos dizem que tudo que se faz na vida pode ser feito para a glória de Deus, basta que se cultive uma coisinha chamada “cosmovisão cristã”. E isso é, de fato, uma verdade! Existe uma lente por meio da qual podemos perceber o mundo e todas as suas implicações e desdobramentos. A fé cristã é uma dessas lentes que fornece caminhos e princípios muito claros para todas as esferas da vida, inclusive para a sexualidade, nudez, pornografia e tudo mais que compõe o universo sexual humano. As perguntas que ficam são duas: temos interesse em saber o que Deus pensa, de verdade, sobre sexo? Temos interesse em obedecer a Deus naquilo que Ele estabeleceu sobre sexo?

Não ponha correntes onde a liberdade já foi conquistada. Sexo é dádiva de Deus para homens e mulheres celebrarem a vida com toda intensidade dentro do casamento. Diga um sonoro não à toda forma de disfunção e distorção da sexualidade humana e um prazeroso sim à satisfação de viver uma vida sexual que traga alegria para seu cônjuge e honra para Deus. Sexo não é pecado, pecado é rebelar-se contra aquele que criou o sexo e nos ensinou exatamente a hora certa para desfrutá-lo. Pergunte a si mesmo: como anda minha vida sexual? Ainda que você não seja casado, saiba que desde já você está investindo e cultivando sua sexualidade, resta saber se esse investimento e cultivo têm sido para bem ou para mal. Se você é casado, você tem sido generoso e amoroso sexualmente com sua esposa (o)? Tem se dedicado a ela (e) com alegria e singeleza de coração no leito conjugal? Se você se percebeu completamente desobediente a Deus ao longo da leitura deste texto, mas se arrepende do modo que viveu, quer recomeçar, ainda há tempo! Graças ao Cristo crucificado ainda há tempo! Ainda há tempo para novos recomeços, novas descobertas, novos caminhos que podem trazer alegrias que nunca pensamos um dia viver. Ainda há tempo para perdoar e para pedir perdão! Ainda há tempo de amar verdadeiramente a partir daquele que é amor! Que Deus abençoe sua sexualidade!

Que Deus nos alcance!